>>DCG lecture: Proposições artísticas para transformação de espaços públicos no contexto da zona portuária do Rio de Janeiro with Vanessa Rosa

post date: April 28, 2016
author:
cat: events, news

Segunda-feira, dia 2 de Maio de 2016, às 11h30 na Faculdade de Arquitetura (UL), Pavilhão de Pós-Graduação (edifício 5).

Será apresentado a história da zona portuária do Rio de Janeiro, conhecida como “Pequena África” como forma de contextualizar as reivindicações atuais de território e de reconhecimento de grupos culturais.

A experiência de algumas pessoas influentes na região serão abordadas, como Maurício Hora, fotógrafo da favela Providência, que fundou o Centro Cultural Casa Amarela junto com o fotógrafo francês conhecido internacionalmente por suas intervenções urbanas de grande escala, e que posteriormente trabalhou com o artista português VHILS (Alexandre Farto).

Outra história importante na região é a do Quilombo da Pedra do Sal e o Instituto Pretos Novos, que fazem parte da atual candidatura da região à Patrimônio Imaterial da Unesco. Estes agentes são necessários para se discutir o atual momento de revitalização urbana e modernização da cidade, que tem na zona portuária o seu maior símbolo.

Pessoalmente, comecei a pesquisar o Morro da Conceição, e posteriormente toda a região portuária, em 2009. Propus um projeto de intervenções urbanas como parte da minha bolsa de iniciação científica na UERJ. Pretendo narrar como meu projeto inicial de pinturas enquanto intervenções urbanas se tornou cada vez mais ligado à presença dos quilombolas, ao debate sobre a necessidade de tornar visível a história da região e a propostas educacionais na formação de outros artistas locais. Comentarei outros trabalhos que surgiram nos últimos anos com abordagens semelhantes, como o da urbanista americana de origem etíope Sara Zewde, que busca projetar para uma experiência negra. 

A partir de 2015, eu e Veronica começamos a trocar ideias e desenvolver um projeto o qual chamamos de “Azulejos Imaginários”, que está ligado ao trabalho anterior que eu já desenvolvia na região. Estamos explorando como a parametria e a fabricação digital pode ser útil na transformação de espaços públicos, exprimindo visualmente o valor simbólico de um espaço. Uma discussão teórica sobre a história da representação ocidental baseada na perspectiva e sobre as mudanças de subjetividade e representação trazidas pela compreensão matemática do espaço desenvolvida com a ciência computacional faz parte de tal projeto.